Música

INDP: pretensiosamente rock & roll

Por Simone Ribeiro, @moluska (Publicado originalmente em set/10)

Rio de Janeiro, 1998. Os irmãos Carlos Henrique (bateria) e Alex Salenti (Guitarra/voz) resolvem montar uma banda logo após assistirem um show com amigos em um bar na zona norte da cidade.

A ideia era simples, fazer um trabalho que fosse além das expectativas do cenário musical da época. Assim surgiu o INADIMPLENTES, INDP! para os íntimos, cujo nome fora retirado da situação financeira em que se encontravam seus integrantes. Que, diga-se de passagem, não mudou muito em mais de uma década anos de estrada!

Sem acompanhar as tendências comerciais, o INDP! Sempre optou por tocar o puro, simples, mas competente rock & roll. O Power trio, originalmente, formado por Carlos Henrique (Bateria e Vocais)  Alex Salenti (Guitarra e Voz) e Luiz Paulo (Baixo) sofreu algumas alterações ao longo desses 12 anos.

Engana-se quem pensa que a pindaíba do INDP levou a banda desistir no meio do caminho. A experiência nos palcos rendeu ao INDP um primeiro CD lançado em 2000, na qual Zé Mané era o hit e a principal música de trabalho da banda.

Uma combinação de letras escrachadas que falam do cotidiano desses cariocas e o som influenciado por competentes bandas como Rush, Police e Van Halen levaram o Inadimplentes a fazer algumas dezenas de shows pelo Rio de Janeiro e outras cidades do sudeste. Além de colocarem no currículo, algumas parcerias com novos nomes da música como a cantora teen Juliana Vas.

Comemorando 12 anos de estrada o INDP! volta com nova formação , que agora conta com o baixista Pedro Faria. Na agenda da banda, produção de vídeo clipe e nova música de trabalho, Tempo (disponível para download no fim da matéria).

De resto, cair na estrada para que um dia a inadimplência desta, bem humorada banda carioca, possa ser quitada pelo rock competente que eles fazem há mais de uma década.

foto5MA: Por que o nome Inadimplentes?

Alex: Esse nome vem da situação financeira dos integrantes da banda que por sinal já dura 12 anos. (risos).

MA: O INDP já está na estrada há um bom tempo, mais de uma década. O Rock brasileiro mudou, as bandas de hoje mudaram. Qual o segredo para continuar fazendo o som que vocês gostam sem ter que acompanhar as tendências?

Alex: Desistimos de tentar ganhar dinheiro, nós tocamos o que gostamos e por um acaso agradamos a muita gente, talvez por isso.

Carlos: Acho que o rock brasileiro mudou muito, ficou mais profissional (risos sarcásticos)

MA: Como vocês classificam o som da banda?

Alex: Rock and Roll.

MA: Há uma diversidade de influência musical na banda No geral, quais são as principais influencias de vocês?

Alex: Muita gente mente nessa hora, acho que para agradar não sei,inventa um monte de influência estranha. (risos)

Carlos: Pra definir bem: Van Halen, Rush, The Police e Stray Cats.

MA: Por quais lugares vocês tocaram e quais foram os momentos mais bacanas da banda no palco até agora?

Carlos: Por todo underground carioca e em alguns lugares no Espírito Santo (com a Juliana). Os melhores foram, sem dúvida, o Hard Rock Café  e as Lonas Culturais espalhadas pela cidade do Rio.

MA: Como foi a experiência de tocar com Juliana Vas? Com quais outras bandas vocês já tocaram?

Alex: Acompanhar Juliana foi bem legal porque nós preparamos ela direitinho.

Carlos: No bom sentido (risos)

Alex: Já também dividimos palco com muita gente boa e ruim também (risos). Por exemplo: Frejat, Fernando Magalhães, Rodrigo Santos, SNZ, Kelly Key (risos), Penélope entre outras.

foto1MA: As letras do INDP sempre foi o ponto forte da banda. De onde vem a inspiração para letras escrachadas (no melhor sentido da palavra) como Zé Mané, por exemplo? (risos.

Alex: Apesar de nesse novo trabalho termos mudado um pouco as letras, as antigas fazem parte do cotidiano, ZÉ MANÉ, por exemplo, é uma história “venérea”, quer dizer verídica (risos).

Carlos: O Brasileiro em si já é uma piada (risos).

MA: Vocês lançaram um CD em 2000. Como foi a repercussão desse trabalho?

Carlos: A melhor possível para um trabalho independente, a Zé Mané foi o carro chefe, todo mundo gritava o refrão nos shows. Foi bem divertido.

MA: Em 2010, vocês pretendem lançar mais um disco. O que a gente pode esperar do INDP 2010?

Alex: Peso, não só dos integrantes, como no som também (risos).

MA: Além do cd novo, quais são os outros planos futuros da banda?

Alex: Finalmente vamos gravar um vídeo clipe bacana em locação maneiríssima! Podem esperar, e vamos voltar à ativa, se possível em Santos e São Paulo onde o Rock & Roll rola fácil. Será um prazer imenso!

MySpace da banda / Contato: inadimplentes@ig.com.br